Início Conselho Brasileiro de Oftalmologia








6 usuário(s) online



Busca  
Login  






3/9/2009
Instituto da Visão divulga avanços no tratamento do Ceratoncone

Vasta experiência cientifica prova que o tratamento é opção eficaz e duradoura para diminuir os transplantes de córnea

O Instituto da Visão, em conjunto com o Departamento de Oftalmologia da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), oferece novo tratamento para Ceratocone, principal causa de transplantes de córnea no Brasil e no mundo.

O método, denominado Corneal Cross Link, usa uma substancia natural chamada
riboflavina (vitamina B2) que, associada à luz ultravioleta, cria novas ligações entre as moléculas de colágeno da córnea, aumentando sua resistência.

Com ampla experiência científica, diversos artigos publicados em revistas
especializadas e um prêmio internacional sobre o tema, além de assistência a
centenas de pacientes, o Instituto da Visão e a UNIFESP oferecem suporte científico e disseminação da técnica, através da formação de profissionais para atuarem em outros centros.

O que é Ceratocone?

Ceratocone é uma deformação corneana não-inflamatória e indolor, caracterizada pelo afinamento e perda de rigidez da parte central da córnea, que fica mais abaulada (formato de cone), provocando distorção e embaçamento das imagens, similar à provocada por altos astigmatismos. Em 90% dos casos é bilateral. Sua origem é genética, com forte caráter hereditário. Inicia-se geralmente na adolescência, por volta dos 13 anos de idade, evoluindo até aproximadamente 35 a 40 anos quando, na maioria dos casos, ocorre uma estabilização espontânea do processo.

Evolução e tratamento

Durante o estágio ativo da doença as mudanças podem ser rápidas. Freqüentemente os pacientes reclamam das constantes mudanças de grau dos seus óculos. Na maioria dos casos, 80%, o uso de óculos ou lentes de contato gelatinosas é suficiente para garantir uma visão satisfatória para o paciente. Entretanto, o progresso da doença é muito variável. Enquanto alguns casos evoluem lentamente, uma minoria tem evolução rápida, necessitando de lentes de contato rígidas ou transplante de córnea.

Mesmo com o desenvolvimento de novos procedimentos cirúrgicos para simplificar ou fornecer mais segurança no tratamento do Ceratocone, como os implantes de anéis intra-corneanos, o transplante de córnea ainda é o procedimento cirúrgico de escolha para a doença, apesar do risco de complicações, como alto astigmatismo, anisometropia, rejeição, infecção, glaucoma, catarata e doenças relacionadas à superfície ocular.

O CXL vem se tornando uma opção terapêutica menos agressiva e, o que é fundamental. Potencialmente capaz de controlar a progressão do Ceratocone e
de deformações corneanas pós-cirúrgicas, justamente por agir no mecanismo
fisiopatológico da doença, endurecendo a córnea. No Brasil, especialmente no
Instituto da Visão, estão em andamento diversas pesquisas com excelentes resultados, recentemente apresentados durante congressos nacionais e internacionais.

Também houve participação direta da UNIFESP no desenvolvimento do único aparelho nacional liberado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária para o tratamento de CXL.

Utilizado no mundo inteiro, com excelentes resultados -- os pacientes tiveram sua doença estabilizada – o “Cross-Link” do colágeno corneano se tornou a opção menos invasiva em casos de Ceratocone progressivo, diminuindo a necessidade de transplantes de córnea.

Fonte: Instituto da Visão



           


<< Anterior Índice Próximo >>


Mais Recentes:
07/10/09 - 64% dos cegos do mundo são mulheres
07/10/09 - Diagnóstico precoce é essencial para evitar as doenças da visão
06/10/09 - Lentes de contato: mitos e descuidos que valem os olhos da cara
05/10/09 - Exercício físico é benéfico para pessoas com glaucoma
02/10/09 - Macacos daltônicos voltam a perceber as cores em tratamento


As opiniões expressas no texto acima são de responsabilidade exclusiva dos seus autores.