Início Conselho Brasileiro de Oftalmologia








6 usuário(s) online



Busca  
Login  






2/9/2008
Porque piscamos?



Aprenda mais sobre as funções desse ato que não serve só para paquerar.

Se você vai responder que pisca para paquerar, saiba que existem outros motivos que justificam esse abrir e fechar de olhos que realizamos naturalmente. Com esse simples reflexo, lubrificamos nossos olhos e os protegemos de corpos estranhos presentes no ar.

Quando piscamos, ativamos a glândula lacrimal, que fica atrás e ao lado de cada olho, responsável pela produção da lágrima. É a lágrima que age em conjunto com nossas piscadelas. O oxigênio que ela contém se espalha e protege nossa córnea – uma espécie de lente que a luz atravessa para que possamos ver. Na lágrima há ainda gorduras e sais minerais, que são substâncias protetoras para os olhos. É também para espalhá-las por toda a superfície do olho e remover partículas de poeira ou corpos estranhos que as pálpebras abrem e fecham.

Piscamos a cada cinco ou sete segundos, tempo necessário para que a lágrima cumpra todas essas funções e, depois, seja eliminada através de dois furinhos que ficam nos cantos das pálpebras, próximos ao nariz. Se piscarmos menos que isso, a córnea não recebe o oxigênio necessário para sua proteção e seu bom funcionamento. Os olhos ficam sem lubrificação, sem brilho e até podemos ter a sensação de visão borrada e de dor.

Bom, agora que você já sabe que piscar é saudável, pode usar seu charme e suas lindas pálpebras para caprichar nas piscadelas. Mas tenha cuidado: piscar ou apertar os olhos exageradamente pode significar dificuldade na visão, alergias, inflamações ou que existe algum corpo estranho que precisa ser removido. Em todos esses casos, o ideal é procurar um oftalmologista.

Fonte: Beatriz Simões Correa



           


<< Anterior Índice Próximo >>


Mais Recentes:
16/11/08 - 11 verdades médicas que até parecem mentira
16/11/08 - Doenças da esclera
16/11/08 - O que é Calázio
16/11/08 - O que é blefarite
16/11/08 - Tudo Sobre Cães Guias de Cegos (CG) - O Homem e o Cão